18/04 – Comando do 4º Distrito Naval realiza significativo evento na Guajará, uma Regata especial nas diversas modalidades náuticas

0
28

Nesta próxima sexta-feira, dia 21, a Marinha do Brasil, através do Comando do 4º Distrito Naval, estará presenteando os atletas das modalidades náuticas, esporte com remo, com a 1ª Regata do “Cisne Branco”, nas seguintes modalidades: Canoagem, Remo Olímpico e Canoa Havaiana. A oportunidade sem duvida, fortalecerá o esporte em nossa região. A atleta paraense Lorena Jacob de Lima, vice-campeã brasileira de canoagem dupla, mista, participará em duas modalidades distintas Canoagem e Canoa Havaiana.
Este evento servirá também como preparativos para a referida atleta, que participará como representante do nosso estado (PARÁ) nos dias 29 e 30 deste mês, em São Sebastião – SP, na primeira etapa do Campeonato Brasileiro de Canoagem Oceânica/2017.
O evento terá total apoio da 1ª Dama do Comando do 4º Distrito Naval a simpática Srª. Mara Teresa da Silva, presidente do Movimento “Cisne Branco”, ela que é esposa do nosso muito amigo vice-almirante Alípio Jorge Rodrigues da Silva. Prestigiando o importantíssimo evento, estará no Cais do Porto o Cartão Postal da Marinha do Brasil, que é o Navio Veleiro “Cisne Branco”. Na foto a bela Lorena numa das suas ultimas competições.

Sindicato

Dizem não sei. Que o Sindiporto – Sindicato dos Portuários do Estado do Pará, que reúne no seu quadro o maior numero de servidores da CDP-Companhia Docas do Pará, pouco ou nada vem fazendo a favor dos seus associados, apenas meia dúzia são os privilegiados. Aliás, essa entidade já teve seus dias de glórias no setor.

Rumo a Belém

O Navio-Veleiro “Cisne Branco”, conhecido como Cartão Postal da Marinha do Brasil, já está navegando com rumo marcado para Belém, onde aportará no próximo dia 19 devendo permanecer por alguns dias na capital paraense. Sua ultima escala em Belém aconteceu no ano passado quando da passagem dos 400 anos de Belém.

Dinheiro

Comenta-se que está a caminho 10 milhões de reais liberados pelo Governo Federal para a retirada do fundo o navio boiadeiro “HAIDAR” no porto de Vila do Conde, há cerca de 16 meses. Enquanto isto o dinheiro da indenização dos ribeirinhos de Barcarena atingidos em função do acidente até agora só promessas dos políticos.

MARESIAS

Como sempre acontece, a nossa SOAMAR-Belém estará também colaborando com a importante Regata a remo, que será realizada na próxima sexta-feira na Guajará. O grande destaque será a presença da bela vice-campeã brasileira de canoagem-mista.

Recebemos a significativa mensagem: “Uma Santa e abençoada Páscoa”. Seu irmão Padre Augusto Jailson da Silva, ele que é Capitão-Tenente – Capelão Naval, do 4º Distrito Naval, em cuja função vem realizando um extraordinário trabalho. Meu grande amigo abraço.

O Navio-Veleiro “Cisne Branco”, que cognominamos como Cartão Postal da nossa gloriosa Marinha do Brasil, já marcou rumo a Belém, aonde chegará no próximo dia 19, como sempre será recebido festivamente pelas autoridades navais de nossa capital.

“Muito foguete é sinal de pouca festa”, é como estão comentando na beira do cais com relação ao PORTO FUTURO, de qualquer maneira não custa nada aguardar, assim como vamos aguardar, a retirada do navio “boiadeiro” HAIDAR do fundo do porto de Vila do Conde.

Um Oficial Superior da Reserva da Marinha poderá desempenhar uma nova função no setor em Belém na área civil, isto se os entendidos chegarem a bom termo, mas isto depois eu conto, porque no momento tudo está sob sigilo. Eu volto.

A cada dia que passa a bacia de manobras do porto de Belém, vai ficando mais assoreada, dificultando a entrada de grandes navios diretamente no cais do porto. Os políticos influentes do Pará, não estão se interessando pelo mesmo. Muito triste.

Já chegou à mesa do colunista informações sobre o tal “GOLFINHO”, pela sua estrutura não é embarcação para fazer a rota direta Belém/Soure/Belém. Com certeza a Capitania dos Portos já está de olho, porque segurança é obrigação de todos.

Para as embarcações concederem tarifas menores na rota do Marajó, bastaria o Governo subsidiar o combustível e o ICMS, com isto todo problema estaria solucionado de vez, mesmo com tudo isto as tarifas de travessias no Pará são as mais baixas do Brasil.

Em função de algumas readaptações para melhor no maior ferry-boat do Brasil, o “São Gabriel” da HENVIL Transportes foi adiada a sua viagem inaugural para a primeira quinzena do próximo mês de maio, em data a ser confirmada brevemente.

Certos critérios que estão acontecendo no setor para concessões de honrarias e outras premiações já estão sendo comentados negativamente. Depois eu volto ao assunto com melhores detalhes, mesmo porque qualquer descuido pode causar problemas.

BEIRA DO CAIS

No próximo mês de junho, estará encerrando uma das maiores temporadas de navios de turismo na rota de Manaus, com a entrada no rio Amazonas através do Canal Norte, um deles com quase trezentos metros de comprimento, todos eles conduzidos pelos Práticos da ZP-1, faltando apenas cerca de cinco unidades, os elogios foram muitos aos timoneiros amazônidas.

Pelo que se observa no setor, o Governo do Estado do Pará, continua em busca de uma embarcação, através da Secretaria de Transportes, que tenha condições de segurança para fazer a linha direta Belém/Soure/Belém. Poderia fazer como fez o Governo de São Paulo, encomendando um catamarã ao estaleiro ABSNAVAL de nossa capital.

O Grupo REICON, tem três embarcações hoje no Nordeste a serviço da Petrobrás, são navios petroleiros de médio porte, que foram construídos no estaleiro RENAVE no Rio de Janeiro, que também faz parte desse importante grupo amazônida, que tem também papel muito importante na navegação fluvial no transporte de carga geral e gás de cozinha.

O SINDARPA-Sindicato das Empresas de Navegação Fluvial do Estado do Pará, hoje em fase de muito dinamismo, está prestando uma atenção muito especial as empresas associadas que desejam regularizar seus terminais, dentro das normas recomendadas pela ANTAQ-Agência Nacional de Transportes Aquaviários. Esse órgão aumentou o prazo.

Surgiu no setor, que depois dos leilões das áreas portuárias das diversas Companhias Docas, essas estatais portuárias, deverão ser privatizadas, ou até mesmo uma delas estadualizadas. Isto segundo fonte de credito poderá acontecer antes da próxima eleição que acontecerá em 2018, resta aguardar porque em política tudo pode acontecer. (AS).

COMPARTILHAR

Deixe uma resposta

Seu comentário
Seu nome

Solve : *
18 × 1 =