FPSO Pioneiro de Libra chega em águas brasileiras

0
174

Rio de Janeiro (RJ) – O FPSO Pioneiro de Libra, de propriedade da joint venture 50/50 formada pela Odebrecht Óleo e Gás (OOG) e a Teekay Offshore Partners L.P. (Teekay Offshore), chegou, ontem à noite (17/5, quarta-feira), em águas territoriais brasileiras. Esse FPSO será o primeiro a produzir óleo no campo de Libra.

A chegada estava prevista, anteriormente, para o final de maio, mas foi antecipada em 10 dias. A viagem começou com a saída do estaleiro Jurong, em Cingapura, onde o FPSO foi construído. O planejamento rigoroso e as condições climáticas permitiram que a viagem transcorresse com tranquilidade, mesmo em trechos mais sensíveis, e que a embarcação desenvolvesse uma velocidade média aproximadamente 25% maior do que o esperado. A viagem registrou apenas uma parada de 24 horas nas Ilhas Maurício para troca de tripulação e embarque de materiais e equipamentos.

Desde o batismo do FPSO, realizado em dezembro do ano passado, a embarcação passou por testes de comissionamento e de mar. Mais de mil atividades foram realizadas antes do embarque, entre elas, teste de inclinação e do sistema de propulsão. Durante a viagem ao Brasil, outros testes foram realizados e, com a chegada ao Brasil, a embarcação passará por processos de aprovação de entidades e órgãos fiscalizadores e da Petrobras. Em seguida, inicia-se a ancoragem e a conexão dos risers. O primeiro óleo está previsto para julho.

A embarcação será afretada e operada pela joint-venture OOGTK e realizará Testes de Longa Duração no Bloco de Libra, para o Consórcio formado pelas empresas Petrobras (Operadora, com 40%), Total (20%), Shell (20%), CNPC (10%) e CNOOC Limited (10%) que tem como gestora a Pré-Sal Petróleo S.A. (PPSA), por um período de 12 anos.

Construção

A construção do FPSO Pioneiro de Libra começou, no final de 2014, no estaleiro Jurong, em Cingapura. A unidade poderá atuar em lâmina d’água de até 2.400 metros de profundidade e terá capacidade de produção de 50 mil barris de óleo por dia e de compressão e reinjeção de quatro milhões de metros cúbicos de gás/ dia.

Ao longo de mais de dois anos, aproximadamente, quatro mil pessoas estiveram envolvidas no projeto, incluindo as atividades no estaleiro, com mais de 19 milhões de homens/horas trabalhadas, sem registro de nenhum acidente de trabalho com afastamento.

“Temos imenso orgulho de registrar a chegada do FPSO Pioneiro de Libra às águas territoriais brasileiras porque ele é um marco para a produção de petróleo no Brasil. Para nós, demonstra competência, capacidade de entrega, mesmo com cenário adverso, além de reforçar a parceria com a Teekay, uma vez que este é o segundo projeto que desenvolvemos juntos”, afirma Jorge Mitidieri, Diretor Superintendente de Serviços Integrados da Odebrecht Óleo e Gás.

Negócio

Os contratos de afretamento e operação do FPSO Pioneiro de Libra foram celebrados em outubro de 2014. No ano seguinte, a joint-venture formalizou o contrato de financiamento com bancos internacionais para a construção do navio.

O FPSO (Floating Production Storage and Offloading) é um tipo de navio utilizado pela indústria petrolífera para a produção, armazenamento de petróleo e/ou gás natural e escoamento da produção por navios cisterna (petroleiros). São empregados em locais de produção distantes da costa com inviabilidade de ligação por oleodutos ou gasodutos.

Por Portal da Navegação, via Diogo Moraes

COMPARTILHAR

Deixe uma resposta

Seu comentário
Seu nome