O colunista com três Almirantes que prestigiaram com destaque o 10º Seminário Internacional Hidroviário Interior promovido pela SOBENA

0
126

Os Almirantes Edervaldo, Olsen e Edlander, este da Reserva, com o colunista quando do 10º Seminário Internacional Hidroviário Interior, que foi realizado com sucesso na Estação das Docas pela SOBENA – Sociedade Brasileira de Engenharia Naval, que tem a sua sede no Rio de Janeiro. Na ocasião o Almirante Olsen confidenciou a este colunista que antes de ser designado para a Diretoria de Hidrografia e Navegação da Marinha no Rio de Janeiro, a sua grande vontade era ser Comandante do 4º Distrito Naval, ele tem um apreço muito grande pelo povo paraense.
Na sua permanência em nossa capital, ele teve uma satisfação muito grande, foi com surpresa que reencontrou seu colega de sete anos de Colégio Militar, em Fortaleza, ou seja, o bom caráter engenheiro Kleber Menezes, empresário e atual Secretário de Estado de Transportes do Governo do Estado do Pará. (Foto: Luiz Celso).

Grupo LÍDER convidando para importante SIMPÓSIO de Direito do Trabalho

O Grupo Líder está convidando Profissionais e Estudantes da Área do Direito, para participarem do II Simpósio Paraense de Direito do Trabalho, com o tema Crise Política e o Mundo do Trabalho. Contará com a presença de vários profissionais renomados na área do Direito Trabalhista. As inscrições podem ser feitas pelo site: mendesemendesadvocacia.com. br. este evento acontecerá em parceria com o Escritório Mendes e Mendes Advocacia, no próximo dia 29 de setembro de 2017, no próximo dia 29 de setembro, às 09h, no Auditório JERÔNIMO RODRIGUES, na Sede do Grupo Líder.

Promoções

Pelo menos dois vice-almirantes foram promovidos a “Quatro Estrelas” em pleno exercício das funções de Comandantes do 4º Distrito Naval. O primeiro foi o saudoso amigo Luiz Leal Ferreira e, o segundo, o também amigo Ademir Sobrinho, hoje no Ministério da Defesa em Brasília.

Rebocador

Apenas um Terminal que funciona na área portuária de Vila do Conde, que não está permitindo uso de rebocadores para as manobras de atracação e desatracação, num local onde o vento é muito forte. Isto ainda poderá causar sérios problemas. Segurança é obrigação de todos. Olho vivo!

Verdade

Por mais incomodado que alguém possa se sentir com nossa opinião, continuaremos do lado da verdade. Por experiência própria, na rota direta Belém/Soure/Belém, não é recomendável embarcações tipo catamarã, a bem da segurança. Dizem que um outro deverá ser colocado na referida linha.

MARESIAS

A Capitania dos Portos da Amazônia Oriental – CPAOR, desde o último mês de junho já vem mantendo gestões junto à direção daquele Terminal que funciona na área portuária de Vila do Conde, que não aceita rebocador para auxílio às manobras dos navios que demandam o referido Terminal. Repetimos: Segurança é obrigação de todos.

Nosso muito estimado Padre Jailson – Capitão Tenente (CN) do Comando do 4º Distrito Naval, continua tomando todas as providências para o completo sucesso do Círio Fluvial da Família Naval, que acontecerá no dia 7 de outubro. Muito bom.

A Diretoria do SINDARPA, a frente o armador Eduardo Carvalho, esteve reunida na última quinta-feira com o Delegado da Polícia Fluvial Dilermando Dantas, tendo como assunto principal a segurança da navegação com relação aos ataques dos piratas.

Se um Comboio Fluvial conduzindo barcaças com mais de 40 mil toneladas de grãos, não utiliza serviços de PRATICAGEM, não vai demorar muito tempo, para que os navios convencionais liberem também a presença de PRÁTICOS a bordo. Olho vivo.

A retirada do navio boiadeiro “HAIDAR” ainda não aconteceu por descaso dos responsáveis, inclusive a empresa proprietária. Fato idêntico aconteceu há alguns anos no porto de Belém com um navio de cabotagem da empresa H. DANTAS, entretanto, o cargueiro foi recuperado em menos de um mês por uma empresa de salvatagem local.

Hoje o nosso abraço vai para a professora Selma Grelo, que é um arquivo vivo na nossa Universidade do Mar – CIABA, Leitora diária da coluna, abastecendo inclusive ao ilustre Comandante José Menezes Filho, das notas publicadas, assim como ao nosso estimado amigo Hernani Goulart Fortuna, Almirante-de-Esquadra da Reserva da Marinha do Brasil.

A qualquer momento poderão ser conhecidos, os culpados envolvidos no acidente que culminou com o naufrágio de um comboio da empresa de navegação Bertolini, abalroado pelo porta – contêiner da cabotagem da Mercosul Santos, da empresa Mercosul Line, em pleno rio Amazonas, nas proximidades da cidade de Óbidos, com vítimas fatais, inclusive.

Muita gente não sabe, mas ainda corre na Justiça, uma ação com relação ao Terminal SOTAVE localizado em Outeiro, impetrado pelo empresário que construiu o mesmo. Um Escritório de Advocacia de São Paulo é que vem cuidando do assunto.

O TECON/CONVICON de Vila do Conde, segundo confidenciou ao colunista o Secretário Nacional de Portos, Dr. Luiz Otávio Campos, deverá ampliar as duas instalações no Complexo Portuário de Vila do Conde. Ele pertence ao maior Operador Portuário do País, que é o Grupo Santos Brasil. Muito bom.

BEIRA DO CAIS

Corre solto na “beira do cais” que a Hidrovias do Brasil, que opera dois navios de cabotagem, transportando baixita entre Porto Trombetas/Vila do Conde, quer classificar os mesmos como fluviais, cuja intenção, se na verdade existe, não é nada legal. De qualquer maneira, resta aguardar os acontecimentos. Onde há fumaça… tem fogo. Depois eu volto.

O pior aconteceu. O nosso Iate Clube, que era do seu gênero considerado como um dos melhores do Brasil e que foi entregue de “mão beijada” na sua última administração, virou mesmo um “cemitério” de lanchas e outros equipamentos náuticos, na maioria imprestáveis. Seria muito bem vinda uma retomada do mesmo pelos seus associados. Alô, alô Dhélio Mutran.

Um importante órgão ligado ao setor vai fazer uma completa “varredura” nos portinhos que ficam localizados no litoral de Belém, de onde embarcações irregulares burlam, inclusive, com excessos de passageiros as autoridades responsáveis pela segurança.

Muita gente não sabe, mas o navio porta-contêiner “Mercosul Santos”, que abalroou com um comboio fluvial da empresa de navegação Bertolini de Manaus, pertence à frota da Mercosul Line, empresa controlada pelo poderoso grupo Maersk, maior do mundo.

No primeiro semestre deste ano, segundo a Associação Brasileira de Óleos Vegetais, a saída de soja pelo Arco Norte representou cerca de 22% de todo total exportado pelo País, mesmo com os problemas encontrados pelos exportadores, como estradas ruins, caminhões atolados e dificuldades de trânsito. (AS).

COMPARTILHAR

Deixe uma resposta

Seu comentário
Seu nome

Solve : *
8 − 1 =