SINDARMA – Nota sobre insegurança nos rios e ataque de piratas

0
34

Adneison Severiano

O Sindicato das Empresas de Navegação no Estado do Amazonas (Sindarma) lamenta a morte do colaborador da empresa de navegação morto por piratas na madrugada desta sexta-feira (25). O marinheiro fluvial de 64 anos foi assassinado e um segurança ferido, após serem baleados em um assalto a uma balsa de transporte de combustíveis, na Ilha do Marapatá no Rio Negro, Distrito Industrial de Manaus.

Os criminosos chegaram em uma pequena embarcação, renderam funcionários da balsa e anunciaram o assalto. Durante o crime, os suspeitos balearam os dois colaboradores.

A presidente do Sindarma, Jéssica Sabbá, e as empresas de navegação se solidarizam com as famílias das vítimas.

O Sindarma reforça o compromisso de reivindicar ações de segurança pública nos rios que banham o Amazonas e região.

Os furtos e roubos de cargas são os principais problemas enfrentados no transporte aquaviário nos rios dos estados do Amazonas, Pará e Rondônia. A criminalidade, que antes ficava restrita as capitais, avançou pelos municípios do interior e tem feito vítimas nos rios.

No Amazonas, os combustíveis são os principais alvos das quadrilhas que também roubam motores de popas, outros equipamentos, pertences de tripulantes e passageiros. As cargas gerais também são alvos dos piratas.

A ação criminosa gera prejuízos para empresas e transportadoras, além de fomentar um comércio ilegal de combustíveis, que abastece o garimpo ilegal de ouro, o tráfico de drogas e fomenta a prostituição infantil.

Os piratas, como são chamamos os criminosos que atuam nos rios, se aproximam das embarcações em lanchas rápidas, rendem e ameaçam tripulantes utilizando armamento de grosso calibre. Em alguns casos, a tripulação é agredida durante a ação dos criminosos. A insegurança que tem feito vítimas pelos rios da região é resultado do avanço da criminalidade e o recuo do Poder Público no combate aos crimes.

O Sindarma e as entidades do setor consideram fundamentais para reduzir os crimes nos rios e ampliar a segurança do transporte aquaviário: a intensificação da fiscalização, a atuação ostensiva da polícia nos rios, além da investigação da Polícia Civil para desarticular as quadrilhas criminosas.

Por Portal da Navegação, via Ascom Sindarma

COMPARTILHAR

Deixe uma resposta

Seu comentário
Seu nome

Solve : *
13 ⁄ 1 =