18/04 (QUINTA-FEIRA) – Coluna chegando também no Gabinete do Presidente do CA da Petrobrás através do Portal da Navegação

0
56

Na foto com o colunista, quando da sua última visita a Belém, o Almirante-de-Esquadra Eduardo Bacellar Leal Ferreira, ainda Comandante da Marinha, hoje exercendo com grande destaque as funções de Presidente do Conselho de Administração da Petrobrás, continua prestigiando a coluna com a sua leitura através do Portal da Navegação, já que, além de ser amigo deste jornalista há muitos anos, a Petrobrás comanda a maior frota de navios da Marinha Mercante Brasileira, através da TRANSPETRO, sua subsidiária de transportes marítimos.
Para quem não sabe, informamos que o seu saudoso genitor, também era um grande amigo deste colunista, por sinal, foi Comandante do 4º Distrito Naval e no exercício dessa função foi promovido a Quatro Estrelas. (Foto: Luis Celso).

Data Maior da Marinha do Brasil será condignamente comemorada em Belém

Neste ano a Data Magna da Marinha do Brasil, ou seja, dia 11 de Junho – Aniversário da Batalha Naval do Riachuelo, a cerimônia militar será presidida pelo excelentíssimo Vice-Almirante Newton de Almeida Costa Neto, que recentemente assumiu o Comando do 4º Distrito Naval. Em meio ao cerimonial, diversas personalidades civis e militares serão agraciadas com a alta Comenda do Mérito Naval.

Aumenta o desemprego de marítimos

Com a redução dos Barcos de Apoio Marítimo, pela Petrobrás, no atendimento as Plataformas em Alto Mar, diversos oficiais mercantes, inclusive Comandantes – CLC ficaram desempregadas, profissionais com mais de cinco anos de serviços, inclusive algumas jovens, formadas pelo CIAGA – RJ e pelo nosso CIABA-PA.

PORTUS prestes a naufragar de vez, muito lamentável

Até o momento nenhuma providência foi tomada pelo Governo Federal, para a recuperação do PORTUS – Instituto de Seguridade dos Portuários, cuja entidade está prestes a naufragar, deixando os portuários aposentados e pensionistas a ver navios. Essa situação vem se arrastando desde o Governo anterior. Triste.

Navio “HAIDAR” continua no mesmolocal naufragado em Vila do Conde

Completou quatro meses, que o Ministério da Infraestrutura publicou no Diário Oficia da União a adjudicação e homologação da Concorrência nº 2/2018, cujo objeto foi a contratação da empresa especializada na execução dos serviços de reflutuação e remoção do navio ”HAIDAR”, submerso e encalhado junto ao Píer 302, no porto de Vila do Conde. Nada até agora aconteceu. Foi vencedora a empresa SUPERPESA – Companhia de Transportes Especiais e Intermodais.

MARESIAS

As duas empresas de navegação que transportaram óleo de palma da região do Moju para Belém, não tiveram sorte. A primeira foi a CNA – Companhia de Navegação da Amazônia, por sinal de grande tradição na região, com mais de 70 anos.

Volta-se a comentar no setor, que uma mudança deverá acontecer na CDP – Companhia Docas do Pará. Existe um movimento em Brasília para assumir a presidência da estatal um Almirante (RM-1) que conhece muito bem a região. Eu acredito.

A coluna agora está chegando também no Gabinete do Presidente do Conselho de Administração da Petrobrás, nosso amigo Almirante Eduardo Bacellar Leal Ferreira, que através da TRANSPETRO está ligado aos transportes marítimos. Muito bom.

Hoje as cidades de Santarém e Manaus operam o maior número de embarcações de madeira transportando passageiros, os conhecidos “LANCHÕES” aqui em Belém conta com poucos, liderando Catamarãs e Ferry-Boats mistos de cargas e passageiros.

Já tem empresa pensando, através dos seus donos, em colocar embarcações de passageiros na rota Belém/Marabá, com escalas em diversas localidades do baixo Tocantins, mas isto só poderá acontecer com a retirada do Pedral do Lourenço.

A Câmara Municipal de Bragança, assim como outros órgãos municipais, continuam esperando o atendimento do pedido feito há bastante tempo, para que seja instalada lá uma Agência Fluvial, considerando o grande número de embarcações.

Com o aumento do calado na área da Barra Norte – AP, cresceu consideravelmente o número de navios de grande porte, especialmente graneleiros em demanda ao rio Amazonas. O primeiro deles vai fazer um ano com carga exportada pela Cargill.

A MARINE, do Grupo Atlântica Matapi, oferecendo absoluta segurança, com vigilância permanente, conta hoje também com um Posto Flutuante para comercialização de derivados de petróleo e ainda uma Balsa – Restaurante para melhor atender seus clientes.

Daqueles super – catamarãs que pertenceram a ENASA construídos no Rio de Janeiro pelo estaleiro INCONAV/MAC LAREN, ainda existem dois que poderão voltar ao tráfego, um que era de classe turística e, outro, de classe popular, da serie “PARÁ” e “RONDÔNIA”. (AS).

COMPARTILHAR

Deixe uma resposta

Seu comentário
Seu nome

Solve : *
14 × 17 =