Comandante do 4º Distrito Naval com o novo presidente do SINDARPA que tomará posse em Janeiro

0
74

O vice-almirante Newton de Almeida Costa Neto – Comandante do 4º DN, com o Professor Mecenas Gonçalves, o colunista e o presidente eleito do SINDARPA, cuja posse festiva vai acontecer neste mês de janeiro em data a ser confirmada, ele que também é diretor da SOAMAR-PA.
O jovem presidente eleito do SINDARPA, que é diretor da empresa Transdourada goza de grande conceito em toda região Amazônica, participando inclusive da diretoria do SINDARMA – Sindicato das Empresas de Navegação Fluvial do Estado do Amazonas. Ele está imbuído dos melhores propósitos para realizar um grande trabalho em defesa da navegação fluvial. (Foto: Luis Celso).

Viagem diária Belém/Mosqueiro/Belém seria mais uma excelente opção turística

A empresa de navegação Henvil, que vem consignando os melhores elogios pelo excelente trabalho que realiza com a mais absoluta segurança e absoluto conforto na rota do Marajó, poderia, com ajuda do Governo do Estado, utilizar um dos seus confortáveis ferry-boats na linha fluvial Belém/Mosqueiro/Belém diariamente, claro que com uma subvenção, seria muito bom para o desenvolvimento do turismo. Tudo seria apenas uma questão de acerto, já que o nosso Governador está imbuído de deslanchar o turismo: Isto há alguns anos passados já aconteceu com sucesso. A Ilha precisa mostrar o seu potencial turístico através do setor fluvial.

Luxuoso navio naufragou em frente o Trapiche de Soure

Muita gente não sabe, mas no fundo, em frente o Trapiche Municipal de Soure, está o navio fluvial mais luxuoso, isto no rio Paracauari, que já trafegou na Amazônia, trata-se do “Presidente Vargas”, construído em Amsterdam na Holanda, para os SNAPP/ENASA. Ele afundou logo após atracar, desembarcando 550 passageiros e seus tripulantes. Se o acidente tivesse ocorrido 20 minutos antes seria uma tragédia, isto há mais de meio século. Todas as tentativas foram feitas para reflutuá-lo, mas não foi possível.

Fora a TRANSPETRO poucos navios têm a Marinha Mercante Brasileira

Hoje, se não fosse a TRANSPETRO, a nossa Marinha Mercante quase não existia, assim mesmo falam em privatização da mesma, o que sinceramente não acreditamos que possa acontecer. Conforme já informamos anteriormente, o Brasil já contou com mais de 200 navios operando no longo curso e outro grande número na cabotagem. Hoje a nossa frota, com exceção das empresas de capitais estrangeiras, está reduzida a meia dúzia de navios. Triste.

MARESIAS

Na Praticagem do Rio Amazonas – ZP/1, duas mulheres vindas do sudeste, devidamente concursadas, estão desempenhando com sucesso as funções de PRÁTICO.

A maior Agência de Navegação que já funcionou em Belém foi a DIAS PAES, que tinha como titular o saudoso amigo Edmar Freire, que, por sinal, foi o primeiro presidente da ENASA.

Hoje as maiores empresas de cabotagem que operam a costa brasileira são de capital estrangeiro. Aliança Logística e Navegação e a Mercosul, utilizando navios porta-contêineres.

Nosso especial agradecimento ao grande amigo Comandante-CLC Ricardo Monteiro, que se encontra em Belém gozando merecidas férias após deixar o Comando do NT “Abdias do Nascimento”.

A luta continua por um porto público em Manaus. O centenário Rodway já deu o que tinha de dar. Sua situação infelizmente não é nada boa. Lamentável.

Tanto a Aeronáutica como o Exército Brasileiro utilizam também na Amazônia embarcações fluviais que oferecem apoio logístico a diversas Unidades.

Um grupo de políticos do Amazonas está tentando um encontro com o Presidente Jair Bolsonaro, para solicitar o seu empenho na criação da Polícia Hidroviária Federal.

Por falta de recursos ainda não foi possível iniciar a construção da nova sede da Capitania dos Portos em Miramar, no terreno que foi doado pela CDP.

Gente nova assumiu na TRANSPETRO, cuja função era desempenhada por um Oficial de Máquinas do Quadro da Empresa.
Seu substituto, por sinal, não é marítimo.

A Zona Franca de Manaus está bombando com os navios de turismo estrangeiros, cada turista deixa por dia cerca
de 400 dólares. Isto é muito bom.

O mega estaleiro Rio Maguari, prepara-se para assinar brevemente um novo contrato milionário, ele que foi eleito nacionalmente
“O Estaleiro do Ano”.

A Cábrea “Rio Branco” já está “prontinha” para operar em conjunto com a Manobrasso Grupo Delima. Tem capacidade para movimentar 200 toneladas. Ela pertenceu a CDP.

A coluna volta Domingo. (AS)

COMPARTILHAR

Deixe uma resposta

Seu comentário
Seu nome

Solve : *
27 − 1 =